fbpx
15 de junho de 2021

Anime Xis

Notícias de Animes, Eventos, Reviews, Artigos, Podcast e muito mais!

A Arte do Shogi #03: Movimentação (Parte 1 de 3)

E chegamos ao nosso Terceiro Artigo sobre a Arte do Shogi, desta vez dando início a primeira parte de aprendizado de Movimentação das peças

E chegamos a A Arte do Shogi #03 por Davi Paiva, bora lá!

Olá, pessoal!

Obrigado por continuarem acompanhando a minha coluna aqui no Site Anime Xis.

Hoje vou apresentar a vocês a movimentação das peças.

Como devem ter notado pelo título, este artigo é a primeira parte de uma série de três porque fica mais fácil aprender a jogar se você classificar as movimentações em três segmentos:

  • Movimentação;
  • Promoção;
  • Reposição.

Ficaram com curiosidade? Espero que sim.

Mas não se preocupem. Vamos ver uma etapa de cada vez.

Começando pelo básico: os conceitos de turno e captura do Shogi são da mesma forma que no Xadrez. Você tem que fazer uma ação (movimentação de peça no tabuleiro ou repor uma peça capturada. Maiores informações na parte 3 de 3) toda vez que seu oponente passar a vez. Não é permitido passar a vez sem ter feito nenhuma ação. Além disso, não é permitido “soprar” as peças que deixaram de capturar peças adversárias tal qual vemos muitas pessoas realizando em Damas. E uma peça que capture outra ocupa a casa que a capturada estava.

Não é muito difícil. Principalmente para quem tem familiaridade com o Xadrez. Certo?

E se você joga Xadrez (e aproveitando para falar de movimentações), devo dizer que você já tem noção de movimentação de pelo menos três peças: o Rei, a Torre e o Bispo.

O Rei se move exatamente como o Rei do Xadrez: em todas as direções, uma casa de cada vez. E da mesma forma que no Xadrez, um Rei não pode capturar peças que estejam protegidas por outras.

Rei

A Torre também é igual a do Xadrez: anda por verticais e horizontais no tabuleiro, sendo limitada apenas por peças aliadas ou inimigas.

Torre

E o Bispo também segue a mesma regra de seu primo distante no Xadrez: diagonais ilimitadas, exceto por peças aliadas ou inimigas.

Bispo

Agora vamos falar de peças que se movem quase iguais ao que estamos acostumados no Xadrez: o Peão e o Cavalo.

Enquanto o Peão do Xadrez tem várias regras (pulo duplo quando não tocado, captura na diagonal dianteira próxima, tomada en passant, etc.), o Peão do Shogi é muito mais simples: sempre anda uma casa de cada vez e captura exatamente como se movimenta. E assim como a sua versão no Xadrez, ele não recua.

Peão

O Cavalo do Shogi também faz um “L” quando anda e pode pular peças aliadas ou inimigas. No entanto, seu movimento é apenas frontal e ele não pode recuar.

Cavalo

E por último, vamos falar das peças que vocês não estão acostumados porque não existem no Xadrez: a Lança, o General de Prata e o General de Ouro.

A Lança parece um Peão com mais alcance: anda uma coluna inteira, sendo limitado apenas por peças aliadas ou inimigas no meio do caminho.

E tal qual o Peão, a Lança não recua.

Lança

O General de Prata consegue andar para as três casas frontais e as duas diagonais traseiras. Ou seja, seus flancos e retaguardas são vulneráveis.

General de Prata

E por último, o General de Ouro faz um movimento que eu particularmente chamo de “escudo”, andando para as três casas frontais, as duas laterais e a retaguarda, formando o desenho de um escudo. O que faz com que suas diagonais traseiras sejam vulneráveis.

General de Ouro

A movimentação do Shogi pode parecer estranha aos olhos ocidentais, mas é apenas uma questão de costume e associações com o Xadrez.

  • Iguais ao Xadrez: Rei, Torre e Bispo;
  • Quase iguais ao Xadrez: Peão e Cavalo;
  • Não existem no Xadrez: Lança, General de Prata e General de Ouro;
  • Não recuam: Peão, Cavalo e Lança;
  • Se movimentam de formas parecidas (mas não idênticas): Peão e Lança, Rei e os Generais de Prata e Ouro.

E espero que tenham notado nas imagens que as peças estão com seus nomes completos enquanto a ilustração dos movimentos é das peças com o nome como se fosse uma abreviatura.

 Indicando Shogi

No artigo deste mês, quero indicar o link de um trecho do anime “Sangatsu no Lion”, onde um coadjuvante ensina um grupo de amigas do protagonista a mover as peças e até adianta uma pauta que irei detalhar no próximo artigo: a Promoção.

Muito obrigado a todos(as) e até a próxima!

Leia mais aqui!

Davi Paiva nasceu em São Paulo, capital, em 1987. É graduado em Letras pela Universidade Cruzeiro do Sul. Participou de várias antologias de contos por diversas editoras, inclusive nas obras “Poderes”,“Monstros entre Nós”, “Guerreiros” e “Magos” pela Darda Editora, onde foi coautor e organizador, e é autor do livro “Cavaleiro Negro”, que também saiu pela mesma editora.

Publica seus textos no blog detonerds.blogspot.com.br e no site Animexis.com.br

Contato com o autor: [email protected] ou via Facebook: facebook.com/davipaivalivrosetextos/